Olá, seja muito bem vindo a este post. Hoje vamos falar sobre luvas de procedimentos, um item indispensável e obrigatório nas atividades de saúde.

O uso de luvas de procedimentos (quando se realiza tarefas de auxílio aos pacientes) é considerada indispensável pois cria uma proteção entre os agentes transmissores, sejam eles os pacientes ou os próprios profissionais de saúde.

Segundo a Revista Brasileira de Odontologia, o maior número de ocorrências causadas por contaminação biológica se dá nos profissionais de Odontologia.

Essa informação se sustenta na rotina profissional desta classe: eles tem acesso a materiais perfurocortantes, equipamentos que produzem vapores de água, além do contato direto com fluidos corporais.

Mas afinal, o que deve ser feito para minimizar as chances de contaminação e manter os profissionais e os pacientes mais seguros?

A melhor forma de evitar/prevenir é a utilização de EPI’s, os tão falados “Equipamentos de Proteção Individual“.

A luva de procedimento é um dos principais equipamentos de proteção dos profissionais de saúde.

 

O que são luvas de procedimentos?

 

Você já deve ter se deparado com uma luva de procedimento, provavelmente durante algum atendimento médico (procedimento médico, intervenção cirúrgica, na consulta com o dentista, etc).

Dentro de um universo variado de modelos, os tipos mais comuns de luvas para uso na área de saúde são as luvas de procedimentos (não estéreis) e as luvas cirúrgicas (estéreis). Neste post vamos falar mais sobre as luvas de procedimentos não estéreis.

 

luva de procedimento antiga

As primeiras luvas de procedimentos surgiram nos Estados Unidos, conforme o relato do criador, o médico Dr. Halsted, que desenvolveu o utensílio para proteger as mãos da sua enfermeira que sofria de dermatite grave, em razão do contato direto com os desinfetantes cloreto mercúrico e ácido carbólico (fenol). Ele fez uma encomenda junto à empresa  Goodyear Rubber Company,  com o objetivo de criar um experimento a partir de dois pares de luvas.

O experimento deu tão certo que ele ampliou as encomendas, contemplando o equipamento a outro membro da equipe médica, como relatou Sherwin Nuland em seu livro “Médicos: The Biography of Medicine “.

O conceituado site TEDx criou uma animação bem legal, contando como foram criadas as primeiras luvas de uso médico. Veja abaixo:

 

Quais são os tipos de luvas de procedimentos?

Podemos classificar as luvas de acordo com os materiais que são fabricadas: a mais comum é a luva de procedimentos de látex. Também existe a luva de procedimento nitrílica, a qual é composta de matéria prima sintética. Existe uma grande polêmica sobre o uso da luva de procedimento de vinil para procedimentos de saúde. Vamos ver mais detalhes sobre cada luva citada.

 Luva de Procedimento de Látex

luva de latex

Fabricadas a partir do líquido de coloração branca extraído da árvore da espécie Hevea brasiliensis, 
as luvas de látex são o modelo mais comum para uso na área de saúde. Mais elásticas que as luvas nitrílicas, elas apresentam melhor resistência à perfuração quando comparadas às luvas de vinil. A maioria dos fabricantes oferece produtos de boa qualidade, uma vez que devem atender as exigências de três órgãos: Inmetro, Anvisa e Ministério do trabalho.
As luvas de látex são comercializadas com ou sem o pó de amido, que serve para facilitar a colocação das luvas nas mãos, além de absorver a transpiração durante o uso. Oferecem proteção contra o contato com sangue, fluídos
orgânicos, membranas mucosas, artigos contaminados e durante procedimentos não invasivos.
Extração de látex para fabricação de luvas (foto: descarpack)
Algumas luvas de látex apresentam um punho estendido, um pouco mais longo para proteção extra.
Se você usa luvas durante longos períodos do dia, dê referência a luvas anatômicas (fabricadas de acordo com o contorno e a forma natural da sua mão) para que ela não fique esticada e seja possível realizar os movimentos relacionados a sua atividade, sem nenhuma limitação.
Não é recomendado usar as luvas de látex se você tiver alergia a essa matéria prima. Existem outras opções de luvas descartáveis ​​sem látex, como a Luva nitrílica.

 

Luva de procedimento nitrílica

luvas nitrilica az 2

Nitrilo é feito de borracha sintética e surgiu como uma alternativa popular às luvas de látex no setor de saúde. Assim como as luvas de látex, as luvas nitrílicas  são adequadas para procedimentos que tem a possibilidade de exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue e outros contaminantes ambientais, como a indústria médica e odontológica. Possui resistência mecânica três vezes maior que o látex ou vinil e é isenta do pó de amido.

Em geral, as luvas médicas devem atender a rigorosos testes e requisitos de segurança. Aprovadas pelos órgãos do governo, elas oferecem resistência, durabilidade e proteção, além de terem se tornado a alternativa sintética preferida à borracha natural na indústria médica. São utilizadas por médicos, odontólogos e profissionais da área de estética, tatuadores, veterinários, etc. Suas cores possibilitam que seja utilizada de forma lúdica, entretendo os pacientes durante o atendimento.

variedade de cores das luvas nitrílicas permite um atendimento mais descontraído.

A escolha correta do tamanho das luvas é fundamental para um bom desempenho do trabalho e o aumento  da segurança contra contaminações.

Luva de vinil

luva de vinil

As luvas de vinil ajudam a reduzir as reações alérgicas pois são livres de látex e oferecem resistência, durabilidade e proteção. Elas também são aprovadas pela ANVISA para uso médico, odontológicos, de assistência infantil e cuidados de saúde que não envolvam o contato com fluidos corpóreos possíveis de contaminação. O vinil também é adequado para serviços de alimentação, manuseio de alimentos, encanamento, manutenção de janelas, agricultura, pintura e outras aplicações industriais.

As luvas de vinil descartáveis ​​oferecem segurança e higiene em uma variedade de ambientes de trabalho. Elas se mostram mais rentáveis ​​que as luvas de látex ou de nitrilo por causa do seu custo inferior, oferecendo proteção de barreira adequada para tarefas curtas e rápidas. Oferece um ajuste e sensação semelhantes do látex sem os alérgenos encontrados na matéria prima.

O vinil é um material de luva sintética feito de cloreto de polivinilo (PVC). Ao contrário das luvas de nitrilo, que também são feitas de materiais sintéticos, as luvas de vinil consistem apenas em monómeros de PVC, tornando-os mais econômicos. Algumas substâncias são adicionadas ao PVC para tornar o material flexível, caso contrário, o PVC seria rígido (igual aos tubos de encanamento).

O material de PVC também possui excelente sensibilidade tátil para trabalhar com uma superfície texturizada. O vinil é menos elástico do que o nitrilo e o látex, dando-lhe um ajuste mais solto e uma sensação suave e confortável.

Já que também tem o reuso proibido, o vinil descartável ​​é uma escolha econômica para tarefas que exigem a troca de luvas com freqüência, se tornando uma escolha de luvas de baixo custo para a realização de serviços alimentícios, procedimentos simples de saúde e aplicações industriais.

Se existem tantas vantagens, qual a polêmica?

A polêmica gira em torno da segurança oferecida pelas luvas de vinil, já que é o modelo menos resistente entre as três luvas citadas neste post. Em muitos casos, ela é utilizada em procedimentos onde deveria ser utilizada a luva de látex ou nitrílica, simplesmente para reduzir os custos com material hospitalar.

O risco de contaminação é enorme pois as luvas de vinil são recomendadas para uso em procedimentos onde não haja o contato com fluidos corpóreos possíveis de contaminação.

Se você tem interesse em saber como reduzir seus custos com luvas de procedimentos, leia nosso post sobre “Os 3 passos para reduzir seus custos com luvas de procedimento”.

 

Por que usar luvas de procedimentos?

É possível afirmar que as luvas cirúrgicas e de procedimentos são proteções essenciais para evitar o contágio de doenças como hepatite B e HIV.

No entanto, é preciso que seja avaliada a integridade do material, ou seja, se não possui defeitos ou quaisquer danos, evitando contaminações.

Basicamente,  as luvas possuem três funções:

√ Aumento da segurança do usuário contra possíveis infecções (através do sangue, saliva, mucosas, etc);

√ Aumento da proteção contra a transmissão de organismos presentes nas mãos do profissional de saúde;

√ Aumento da proteção contra a transmissão entre pacientes.

 

Vejamos a orientação da ANVISA, a respeito da proteção oferecida pelas luvas:

 

“A OMS alerta que os profissionais de saúde devem ter ciência de que luvas não oferecem proteção completa contra a contaminação, razão que justifica a importância da correta higienização das mãos antes de calçar as luvas. Conforme destaca a OMS, os patógenos podem ter acesso às mãos dos profissionais usuários de luvas por meio de pequenos defeitos nas luvas ou por contaminação das mãos durante a sua remoção . Essa possibilidade fortalece a necessidade básica de também fazer a higiene das mãos para garantir sua descontaminação após a remoção das luvas. “

 

Luva de procedimento é um EPI?

Podemos considerar um Equipamento de Proteção Individual (EPI) todo aquele equipamento, material ou utensílio que minimiza os riscos contra a integridade física do profissional.

Mas para que seja de fato classificado como um EPI, é necessário que o produto obtenha o chamado Certificado de Aprovação (CA), um tipo de atestado técnico de que determinado produto se mostrou eficaz na realização dos testes.

Existem inúmeras luvas de procedimentos disponíveis à venda e você pode solicitar ao vendedor que informe se a luva possui C.A. Dessa forma,  você terá certeza de estar adquirindo um produto de qualidade aprovada pelos órgãos regulamentadores e estará contribuindo com a sua saúde e a dos pacientes.

 

Quando usar luvas de procedimentos?

Existem algumas regras e situações específicas que devem ser seguidas para que não hajam (ou pelo menos sejam minimizadas) contaminações causadas pela falta de uso das luvas de procedimentos.

Devemos lembrar que a segurança e a saúde no trabalho em serviços de saúde devem atender às normas expostas pela NR 32.

 

Indicação de uso das luvas

De acordo com o tipo de serviço que será realizado, podemos classificar o uso das luvas da seguinte forma:

 

LUVAS CIRÚRGICAS

√ Qualquer procedimento cirúrgico: parto vaginal; procedimentos radiológicos invasivos; procedimentos de acesso vascular (linhas centrais); preparo de nutrição parenteral total e de agentes quimioterápicos.

 

LUVAS DE PROCEDIMENTOS NÃO-CIRÚRGICOS 

√ Possibilidade de contato com sangue, fluidos corporais, secreções, excreções e objetos/artigos visivelmente sujos com fluidos corporais.

√ EXPOSIÇÃO DIRETA AO PACIENTE: contato com sangue, membrana mucosa e pele não intacta; possível presença de microrganismos altamente infecciosos ou danosos; inserção e remoção de cateter IV; drenagem de sangue; interrupção de linha venosa; exame pélvico ou vaginal; aspiração de sistemas abertos de tubos endotraqueais.

√ EXPOSIÇÃO INDIRETA AO PACIENTE: esvaziamento de utensílios de êmese; limpeza e manuseio de materiais; manuseio de resíduos; limpeza e desinfecção de fluidos corporais derramados.

 

QUANDO NÃO É INDICADO O USO DE LUVAS DE PROCEDIMENTOS (exceto para precauções de CONTATO)

√ Quando não há possibilidade de exposição ao sangue, fluidos corporais ou ao ambiente contaminado.

√ EXPOSIÇÃO DIRETA AO PACIENTE: determinação da pressão arterial, temperatura e pulso; aplicação de injeções ID e SC; auxílio no banho e ato de vestir o paciente; transporte do paciente; cuidados com os olhos ou ouvidos (sem secreção); qualquer manipulação de linha vascular sem vazamento de sangue.

√ EXPOSIÇÃO INDIRETA AO PACIENTE: uso de telefone; manuseio do prontuário do paciente; administração de medicação oral; distribuição ou coleta da bandeja de alimentação do paciente; remoção ou troca da roupa de cama; posicionamento de equipamento de ventilação não invasivo; movimentação da mobília do paciente.

 

luvas - quando usar
Fonte: Folha informativa 6 – Anvisa – O primeiro desafio mundial para a segurança do paciente.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reunimos 10 dicas sobre luvas de procedimentos e fizemos um infográfico contendo informações importantes sobre esse produto essencial para quem atua na área de saúde.

 

DICAS SOBRE LUVAS DE PROCEDIMENTO

 

Como se faz luvas de procedimentos?

As luvas de procedimentos seguem um rito bem específico para serem criadas. Apesar de todo o avanço industrial e tecnológico, o processo de fabricação das luvas começa no seringal, onde é extraída a borracha que vai ser matéria prima para a fabricação.

Acompanhe o passo a passo da fabricação neste vídeo abaixo.

 

Onde comprar luvas de procedimentos barata?

Na verdade essa pergunta pode ser transformada em Como comprar luvas de procedimentos barata?” Te explico.

Vamos imaginar que você já tem experiência no uso desse produto e já sabe a quantidade estimada de luvas que foram utilizadas nos últimos 90 dias, por exemplo. Com essa informação, é possível programar uma compra mensal baseada nas suas necessidades, o que torna o valor das luvas mais baixo e te garante sempre ter a mercadoria em estoque (mesmo que seja uma quantidade mínima).

Realizar uma compra planejada de luvas de procedimentos significa dizer que não haverá estocagem desnecessária de produtos, garantindo que recursos financeiros não sejam imobilizados e que não faltará o produto antes do próximo pedido.

Comprar na loja física ou pela internet?

Existem inúmeras lojas físicas e sites na internet que vendem material médico hospitalar. A Welbox oferece vantagens exclusivas para os seus clientes, bem como a possibilidade de programar a entrega das luvas de procedimentos todos os meses, na quantidade que você precisa e diretamente no endereço que escolher.

Basta acessar a loja online e conferir os modelos disponíveis.

 

CONCLUSÃO

 

Eu espero que esse post tenha te ajudado a entender melhor para quê servem as luvas de procedimentos, de que forma você pode escolhê-las melhor e quais os riscos que envolvem a ausência de luvas na sua atividade profissional.

Nunca é demais lembrar: a saúde é o seu bem mais precioso e você é o maior interessado em mantê-la. Não há dinheiro no mundo que consiga comprar saúde.

Acompanhe as novidades em nossas redes sociais.

Deixe o seu comentário que terei muito prazer em respondê-lo.

 

Um abraço e até mais!

 

×
×

Carrinho